segunda-feira, 26 de julho de 2021

Federação envia oficio ao Governador Cláudio Castro solicitando a inclusão de todos os Bancários na vacinação prioritária contra a COVID19.

 


A FETRAF RJ/ES que tem em sua base os Seebs de Angra dos Reis, Baixada Fluminense, Itaperuna, Macaé, Nova Friburgo e Três Rios, representando trabalhadores do setor do Ramo Financeiro em todas essas cidades no Estado, solicitou através de ofício 028/21 no dia 26 de julho de 2021, que todos/as os/as Bancários/as do Estado sejam incluidos no calendário do grupo de vacinação prioritária contra a COVID19.

No último dia 06/07/2021, o Ministério da Saúde anunciou a inclusão desses/as trabalhadores/as nos grupos prioritários do PNI. O serviço bancário foi incluído como serviço essencial e desde o início da pandemia não interrompeu sua prestação de serviços à população. Desempenhando, inclusive, importante trabalho no pagamento do Auxílio Emergencial que tem sido fundamental para uma parcela significativa da população brasileira.
Segundo dados do Dieese o desligamento por morte, na categoria bancária, no período de março de 2020 até fevereiro de 2021 passou de 70 para 332 trabalhadores bancários em todo o país. Os dados são muito preocupantes e embora não exista o registro da causa das mortes, pondera-se que o aumento expressivo seja em função da pandemia.
Apesar de algumas cidades já estarem avançadas na vacinação por idade, o perfil do trabalhador bancário, hoje, é bastante jovem. A grande maioria está na faixa dos 20 aos 40 anos. Faixa etária que tem despertado preocupação nas Secretarias Municipais de Saúde por representar o maior percentual de internações e óbitos pela doença.

Lembramos que conforme nota técnica do Ministério da Saúde 20% do total de doses de vacinas distribuídas às unidades da Federação deveriam ser destinados aos bancários e trabalhadores dos Correios pelos governantes.

Abaixo o oficio encaminhado na íntegra.



quinta-feira, 24 de junho de 2021

MAIS UM PASSO EM DIREÇÃO A VACINA

Momento da entrega do ofício na
Secretaria Municipal de Saúde

Nosso sindicato continua avançando na busca da vacina para a categoria. Hoje (24/06), protocolamos um ofício na Secretaria Municipal de Saúde de Itaperuna, solicitando que os bancários sejam imunizados. Embasando nosso pedido em fatos facilmente observados no dia a dia, como as aglomerações nos caixas automáticos e as filas nas calçadas em frente as agências e como isso seria facilmente solucionado se todo o contingente da unidade estivesse imunizado e consequentemente trabalhando.

Esse ofício será incluído na pauta do Comitê de vacinação, que foi criado no município, e atua em conjunto com o Ministério Público analisando os pedidos de vacinação encaminhados extraordinariamente à secretaria municipal de saúde.

“Não queremos criar qualquer tipo de expectativa, mas toda iniciativa que vise a vacinação da categoria é válida. Fomos muito bem recebidos na secretaria e nos comunicaram que outras demandas, como a nossa, já foram encaminhadas e aceitas. Precisamos de 140 vacinas, que será o necessário, para vacinar todos/as, nas oito (8) agências bancárias da cidade.” Analisou Hudson Bretas, Presidente do sindicato.

quinta-feira, 17 de junho de 2021

PL QUE INCLUI CATEGORIA BANCÁRIA NA VACINAÇÃO É APROVADO NA CÂMARA DOS DEPUTADOS

 


Foi aprovado no início da tarde desta quinta-feira (17) o Projeto de Lei (PL) 1011/2020, que trata da inclusão de categorias profissionais essenciais no Plano Nacional de Imunização (PNI) para a vacinação contra a Covid-19. O PL foi aprovado com a emenda de redação que incluiu a categoria bancária no PNI.

Agora, o PL vai para votação no Senado e, em caso de aprovação, vai para a aprovação do presidente. A inclusão da categoria como prioritária na vacinação foi produto de um processo de lutas, com pressões das entidades sindicais, entre elas a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), e do Comando Nacional dos Bancários.

“Não foi fácil conseguir essa aprovação na Câmara, foi preciso muita mobilização, esforço e reuniões incansáveis, mas valeu todo nosso esforço porque vocês bancários estão na linha de frente nesta pandemia, já que o Banco foi umas das únicas instituições que não fechou durante todo este tempo, mostrando como somos essenciais. Vamos continuar com todos os cuidados que muito em breve todos nós seremos vacinados. Fiquem com Deus, usem máscaras, álcool em gel e procurem praticar o distanciamento social.”. disse Nilton Damião, presidente do Sindicato dos Bancários de Três Rios e Região e Presidente da Federação dos Bancários do Rio e Espírito Santo.

Na semana passada, as coordenadoras do Comando, Juvandia Moreira, presidenta da Contraf-CUT, e Ivone Silva, presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, entregaram ofício ao ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, solicitando a inclusão da categoria bancária no PNI. “Esperamos que isso se acelere, que a categoria que está na linha de frente, atendendo milhões de brasileiros, seja vacinada. Já comprovamos os riscos de se trabalhar em local fechado, como é o caso de nossa categoria. Portanto, estamos felizes por mais essa etapa”, declarou Juvandia Moreira, a presidenta da Contraf-CUT.

“Foi uma luta árdua das nossas entidades sindicais, da Contraf-CUT, do Comando Nacional, da bancada de oposição, principalmente da deputada federal Erika Kokay (PT-DF). Além da categoria bancária, foram incluídos os motoristas de aplicativo e as trabalhadoras domésticas. Já começamos hoje o contato com senadores, para fazer a mesma luta pela aprovação do PL no Senado”, informou o secretário de Relações do Trabalho, Jeferson Meira, que acompanhou as negociações para a inclusão da categoria para a prioridade na vacina.

Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), compilados pelo Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese), mostram que a categoria bancária registrou um crescente número de encerramento de contratos de trabalho por morte, seguindo uma tendência similar aos casos de óbitos desde o início da pandemia do novo coronavírus.

No primeiro trimestre de 2020, o impacto da pandemia do novo coronavírus foi quase nulo, com uma média mensal de óbitos de 18,33 vidas. Já no mesmo período deste ano (2021), com o agravamento da pandemia no país, a média mensal de óbitos se elevou para 52 vidas, com crescimento de 176,4%.